Entrevista com um especialista Sul Coreano #COVID-19

Informações relevantes sobre o COVID-19 da Coreia do Sul

vírus COVID-19

Provavelmente você deve estar de “saco cheio” deste assunto. Afinal, é tanta informação (na maior parte desinformação) sobre o COVID-19 que fica difícil saber o que é e o que não é.

Contudo, encontrei uma entrevista com um especialista sul coreano relatando a experiência deles com o coronavirus.



E como a Coreia do Sul é um dos países que melhor está lidando com a situação junto com a Alemanha, é no mínimo curioso saber o que ele tem para nos contar.

A entrevista está legendada em inglês e foi realizada em 24/03/2020.

Vou resumir alguns trechos abaixo do vídeo em português.

Olha mais um motivo para você aprender inglês. Se está de quarentena, comece estudando como melhorar o listening rapidamente!

No começo da entrevista, a primeira pergunta é para o professor se apresentar. Na segunda, a pergunta é;

Qual tipo de trabalho o professor faz em relação ao COVID-19?

Como membro mais experiente do hospital, ir a TV falar sobre o COVID-19. Além de outras coisas.

De onde veio o coronavírus, por que ele é tão infeccioso e por que ele tem uma alta taxa de mortalidade?

O professor começa respondendo que baseado em pesquisa de 2 a 3 meses, o coronavírus veio do morcego.

E acredita que a transmissão para um humano foi no mercado em Wuhan na China.

Contudo, diz que deve ter havido um hospedeiro intermediário. No caso o pangolim ou uma cobra. Mas, ele reforça que não estão certos disso.

De qualquer forma, ele diz que o SARS-COV-2 (COVID-19) passou de um morcego para um pangolim ou cobra e depois para um humano.

Ainda, o médico diz que a taxa de mortalidade do vírus fica entre 2 a 3% na média.

O professor tem os dados da taxa de mortalidade?

Ele responde que isso varia de pais a pais. Embora seja o mesmo vírus, cada pais adotou um tipo de quarentena, possui sistema de saúde diferentes…

Há dados sobre a taxa de mortalidade em grupos de idade, tipo 20 a 30, 30 a 40?

  • Baseado nos quase 9 mil casos confirmados na Coreia (lembrando que a data é 24/03/2020) a taxa de mortalidade é;
    • Acima de 80 anos: 11,6%
    • 70 anos: 6,3%
    • 60: 1,5%
    • 50: 0,4%
    • 40: 0,1%
    • 30: 0,1%
  • Ele diz que na Coreia (que fique bem claro) não houve mortes entre os adolescentes e os jovens na casa dos 20 anos.
  • Logo, 90% das mortes foi para o grupo acima dos 60 anos.
  • Também diz que para os adolescentes até as pessoas por volta dos 40, podem experimentar apenas sintomas leves do tipo resfriado por 1 a 2 semanas.

E essas pessoas podem ser assintomáticas?

Sim. E baseado nos 9 mil casos da Coreia, 20% não teve sintoma algum.

E ai está o problema. A pessoa pode não ter sintoma nenhum e mesmo assim espalhar o vírus!

Como pegamos Coronavírus?

  • De 3 formas.
    • Ao tossir ou espirrar, é comum gotículas saltaram cerca de 1 a 2 metros. Dessa forma, o vírus pode te infectar através dos olhos, boca e nariz.
    • Infecção através de objetos contaminados.
    • Transmissão pelo ar. Em locais fechados e com pessoas muito próximas, a transmissão pelo ar pode ocorrer caso um infectado tussa, espirre, fale mais alto, cante… (por isso igrejas não são nada recomendáveis)

Ainda respondendo sobre como pegamos coronavírus, o professor diz que seu time de pesquisadores confirmaram que 30% dos 9 mil casos apresentaram perda de olfato e paladar.

Bom, meu resumo termina por aqui. Eu sinceramente não pretendia escrever sobre este assunto neste espaço, mas achei a entrevista muito boa.

Assim, espero que as informações acima ajudem a tirar a dúvida de alguém.

E reitero, lembre-se que são informações da Coreia do Sul. Estamos no Brasil, outra cultura e etc. Logo não use os números acima como absolutos.

Take care!


6
Deixe um comentário

3 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Renato

Ta mas qual a novidade?

Diário de um Poupador

Parabéns Inglês, excelente entrevista!

Investidor Inglês,

Boa entrevista.
Com tanta desinformação e boatos, é sempre útil aprender com um país que está conseguindo lidar com o covid-19 de forma mais assertiva.

Boa semana!