KROT3 e como acompanhar uma compra pela empresa?

Fonte Imagem: IstoéDinheiro

Neste post vamos analisar a compra que a Kroton Educacional realizou, assim sendo o motivo de seu endividamento ter disparado conforme vimos em sua análise fundamentalista.

Vejamos.

Como acompanhar uma aquisição feita? Vejamos o caso da Kroton com a compra da Somos.



Continuando com as análises baseadas no livro – Investindo para Vencer, hoje vamos analisar o investimento que a KROT3 fez usando o capitulo do livro – endividamento.

Mille abre este capítulo dizendo que empresas com forte geração de caixa, como a Braskem que vimos recentemente (porém ela não é um bom exemplo aqui OK?), conseguem fazer investimentos sem precisar se endividar muito.

E caso precisem se endividar, o fazem baseado em sua geração de caixa. Vejamos como era a geração de caixa da KROT3 antes da compra através do indicador FCL Capex;

  • 2016: 1.374.612
  • 2017: 1.229.049

Note que a KROT3 estava gerando mais de 1 bilhão antes da compra. Logo ao comprar a Somos por 4,6 bilhões, ela fez uma aquisição de quase 5 vezes sua geração de caixa. 

Eu sinceramente acho que não foi muita coisa. Gostaria de opiniões contrárias a minha. Caso tenha, deixa-a nos comentários!

Quem é acionista desta empresa, pode entrar em contato com o RI da Kroton e pedir informações como;

  • Projeção do fluxo de caixa;
  • Quanto tempo para chegar no breakeven da dívida. 

Caso não saiba, breakeven é uma expressão inglesa que significa ponto de equilíbrio. Em Economia e Finanças ela indica o Ponto de Equilíbrio entre as despesas e receitas de uma empresa.

Quando os cálculos indicam que a empresa atingiu o ponto de equilíbrio, isso significa que os custos e as despesas totais são iguais à receita total, ou seja, a empresa não teve lucro nem prejuízo.

Com as respostas do RI, você acionista da Kroton pode ir acompanhando a evolução deste investimento.

Assim caso seja um, entre em contato!

No livro, Mille fala que se o investimento for bem feito, a dívida tem que cair. Logo você pode ir acompanhando nos balanços a relação Divida Liquida / EBTIDA.

Este indicador, que hoje está em quase 3, precisa baixar.

Também deve-se observar se o EBITDA e a geração de caixa aumentam, pois caso contrário, a tendência é o endividamento da empresa aumentar.

Concorda com o acompanhamento?

See ya!


Deixe um comentário