Altcoins: conheça as moedas alternativas ao Bitcoin {guest post}

Altcoins, as moedas alternativas ao bitcoin…

No guest post de hoje, a Natália Zamprogno nos apresenta as principais altcoins de 2020. Sem delongas, vamos a seu texto.


O Bitcoin já faz parte da carteira de investimentos de diversas pessoas hoje em dia. Lançada em 2009, essa moeda digital teve como base uma tecnologia chamada blockchain.

A partir deste acontecimento, muitas outras criptomoedas foram desenvolvidas desde então. Elas são chamadas de altcoins, e se inspiraram no sistema rápido e seguro do Bitcoin, porém, com a proposta de trazer algumas melhorias à sua tecnologia. 

As diferenças entre as altcoins e o Bitcoin se dão principalmente em relação à velocidade de processamento, ao preço e ao algoritmo.

Ainda que o Bitcoin continue sendo a principal e mais popular criptomoeda no mercado, alguns investidores apostam nas altcoins para diversificar suas carteiras e obter mais lucros.

Quais são as principais altcoins?

altcoins

Ethereum

O Ethereum é a segunda maior criptomoeda, perdendo apenas para o Bitcoin. Ela foi desenvolvida por Vitalik Buterin, em 2015, e trata-se também de uma plataforma aberta para a criação de aplicativos descentralizados. 

Com base na tecnologia do blockchain, Vitalik Buterin foi quem criou os chamados smart contracts, os contratos inteligentes que servem para facilitar diversos procedimentos além das transações financeiras, como, por exemplo, registros de documentos e votações. 

Ripple

Ripple é, na realidade, um protocolo de pagamentos. Lançado em 2012, seu desenvolvimento teve o objetivo de trazer para os bancos a tecnologia das criptomoedas, modernizando os processos atuais.

Isto é, permitindo que as transações bancárias aproveitem também a segurança e agilidade oferecidas pela tecnologia do blockchain. 

Neste caso, a tecnologia é compatível com diversos ativos, sejam as moedas fiduciárias – como Dólar e Euro, as moedas digitais e até mesmo o ouro.

Esse protocolo tem também sua própria moeda cuja sigla é XRP. O valor do Ripple não é dos mais altos, mas essa é a terceira maior moeda em capitalização no mercado.

Bitcoin Cash

O Bitcoin Cash foi criado em 2017 a partir de um hard fork do Bitcoin. Esse processo se trata de uma bifurcação na qual todo o código do Bitcoin é duplicado e melhorado, dando origem a outra criptomoedas.

Sendo assim, apesar das semelhanças, o Bitcoin Cash é uma moeda que evolui de forma separada ao Bitcoin.

Muitas vezes esse procedimento acontece quando desenvolvedores estão insatisfeitos com determinados gargalos e decidem realizar alterações no código-base do Bitcoin, criando assim uma nova moeda digital.

No caso do Bitcoin Cash, a principal mudança é referente ao aumento na capacidade do bloco, o que faz com que as transações aconteçam de forma mais rápida. 

Apesar do surgimento do Bitcoin e do blockchain ter trazido uma grande evolução na velocidade das transações financeiras, muitos ainda estão insatisfeitos com o tempo de processamento. 

Litecoin

O Litecoin foi criado em 2011 por Charlie Lee. Apesar de ter se inspirado no código do Bitcoin, não se trata de um processo de bifurcação. O desenvolvedor tomou como base outro algoritmo.

Seu objetivo foi que as transações fossem ainda mais rápidas. O Litecoin demora cerca de 2 minutos e meio para gerar um bloco, enquanto o Bitcoin demora 10 minutos.

Tal característica se mostra como uma vantagem no setor do comércio, sendo o Litecoin uma criptomoeda interessante para soluções de pagamentos em lojas online e físicas.

Como investir em criptomoedas?

Tanto o Bitcoin quanto as altcoins podem ser negociados em corretoras de criptomoedas, também chamadas de exchanges.

Ultimamente utilizo a exchange Binance e Bitcointrade. (Aguarde post com um passo a passo)

Essas plataformas digitais fazem a intermediação segura entre comprador e vendedor.

Também existem as negociações P2P, peer-to-peer, que são as transações sem intermediários, a partir do contato direto com vendedores de criptomoedas.

Assim como os investimentos tradicionais, também existem diferentes estratégias para investir em Bitcoins e altcoins.

Alguns investidores mais experientes apostam no day trade, que se baseia na compra e venda dos ativos a partir da oscilação diária dos seus preços.

Há também quem tem o objetivo de fazer uma reserva de valor em Bitcoins, se preparando para uma maior popularização da moeda no futuro. 

De modo geral, a ideia por trás dos investimentos em criptomoedas está no fato de que o preço destas varia de acordo com a lei da oferta e procura, não havendo um órgão regulando seu preço.

Sendo assim, o valor das criptomoedas oscila a todo instante. O investidor compra Bitcoins durante a baixa no preço para futuramente transformar os Bitcoins em real, lucrando com a variação do preço entre o momento de compra e o de venda. 

A estratégia que será utilizada depende do perfil do investidor, do seu conhecimento e do tempo que tem para dedicar aos seus investimentos, lembrando sempre de diversificar a carteira, para compensar perdas com ganhos.

Gostou do texto? Compartilhe-o em suas redes sociais! Isso ajuda muito o trabalho do Investidor Inglês 😉

Notas

Em 2020 algumas criptomoedas, melhor, altcoins, estão roubando a cena. No caso são as;

  • Tether
  • Chainlink
  • Polkadot

Essas três estão figurando entre o top 10 conforme este site. Logo se pensa em trades, é bom ficar de olho nelas.

Falando em trades, acabei zerando meu estoque nas chamadas altcoins. Também fiz um movimento de diminuição da carteira de Bitcoins, acreditando que seu preço cairia mais.

Ledo engano.

O bom que os ganhos com as criptomoedas alternativas compensaram eu vender parte dos meus bitcoins antes da valorização. 😀

E apesar da queda recente de preços do Bitcoin, ela ainda não me animou a voltar a colocar grana nesta moeda.

Não vai demorar para eu trazer aqui esses “trades” que fiz e faço com criptomoedas. Só estou bolando como mostrar as operações “ao vivo”.

Pinterest


See ya!

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments