Qual o vilão de um Orçamento Familiar? Tem ideia?

Como a ideia do blog é trazer um pouco da minha caminhada rumo a independência financeira, não posso deixar esse assunto de fora, ainda mais refletindo sobre as atitudes que eu e outros tomam devido a esse vilão do orçamento familiar.

Se pensou em um carro, acertou!

Não pesquisei para dizer com propriedade que o carro é o maior vilão de um orçamento familiar. Mas devido aos preços dos carros novos, acho que dá para pular essa parte.



Logo você verá mais abaixo custos que tive em duas situações, uma quando tive um carro chamado popular, e outra quando parti para um sedan médio.

Quem acompanha o blog há tempos, sabe que troquei meu sedan sonho de consumo para aliviar meu orçamento. Um ano se passou e estava feliz por não presenciar surpresas. Até viajei com o carro como contado neste post.

Até que…

Sim, uma manutenção não programada se joga para cima de mim. Apesar de ter em reserva o valor para pagar, desanima desembolsar qualquer quantia quando não se é esperado.

Sem contar o stress, não é mesmo?

Também passa várias coisas na sua cabeça, tipo trocar de carro por um zero na esperança de não ter mais problemas, vender o carro e andar de Uber…

Enfim, você pensa um monte de coisas.

E aqui destaco a importância de ter o chamado “sangue frio”. É importante não se deixar levar pelo calor do momento e tomar decisões que podem impactar bastante seu orçamento doméstico.

O jeito é respirar fundo, fazer contas e tomar uma decisão quando mais calmo.

Abaixo você verá os gastos que tive para manter meus carros. Talvez isso possa te abrir os olhos e repensar a compra de um.

Vilão do Orçamento Familiar? Um deles é o carro!

vilão orçamento familiar

Se há algo que atrapalha minha busca a independência financeira, declaro sobretudo o carro como o principal vilão do meu orçamento familiar!  

Afinal, ele consumiu e consome boa parte do meu orçamento Já gastei bastante dinheiro, seja em novas aquisições, seja em manutenções…

Ainda bem que segui algumas regras estabelecidas por mim. Graças a elas, esse item que maltrata tanto o bolso, não só meu, mas como o de muitos que possuem um carro, me permitiram continuar aumentando patrimônio.     

Carro – O Vilão do Orçamento Familiar!

Vi uma matéria no site do Uol, na qual pegaram um carro no valor de R$ 35.000 e levantaram seus gastos como IPVA, seguro, combustível entre outros…

Os itens acima chegaram a um custo de 27% da receita de uma família com rendimentos de R$ 5.000,00 líquidos! 

É ou não é um vilão das nossas finanças pessoais?

Falei acima que criei “regras” para ter um carro. E vou compartilhá-las com você. Veja uma delas abaixo;

  • Uma das minhas regras é não comprar carro cujo valor seja maior que R$ 25.000,00. Ou seja, esse é meu teto.

Eu tinha um carro popular de ano 2008 cujo valor era de R$22.000,00. Fiquei com esse carro por volta de 2 anos. Nele, fiz apenas as manutenções básicas. Veja o quanto me custou esse carro (valores do primeiro ano);

Custos de um carro popular 2008

  • IPVA = R$880,00;
  • Licenciamento = R$180,00;
  • Manutenção = R$500,00;
  • Seguro = R$1.100,00;
  • Total =  R$2.660,00  ou +- 12% do valor do veículo! (seguindo a mesma linha do site Uol, por isso não inclui depreciação…)

Detalhe! Não calculo combustível, pois gastaria esse valor com outro transporte.

Abaixo, os custos quando resolvi “subir um degrau”…

Custos de um sedan médio também 2008

  • IPVA = R$920,00;
  • Licenciamento = R$200,00;
  • Manutenção = R$7.032,80;
  • Seguro = R$984,00;
  • Total = R$ 9136,80  ou +- 40% do valor do veículo!!!  

Gastei quase a metade do valor do carro em manutenção…

Como você pode ver, minha ultima aquisição não foi nada boa para meu orçamento. O que era para ser um sonho realizado, virou um pesadelo.

Após essa experiência, precisei rever esse meu gosto por carros. Pois se deixar levar pela emoção, minha IF corre sérios riscos…

Minhas Regras para Aquisição de um Carro

Como dito acima, defini regras para a compra de um carro. Pois como esse é um item que aprecio muito, sem controle acredito que não teria investimento algum.

Sendo assim;

  • Teto de R$25.000,00 para adquirir um carro. Ao estabelecer um teto, isso contribuiu para que eu não me endividasse além do que podia.
  • Pesquisar guia de compras do modelo escolhido;
  • Obter feedback de atuais proprietários;
  • Fazer um check-up em uma oficina antes da compra.

Aqui foi o meu erro!   Por já ter adquirido um veículo na mesma loja, e não ter tido problema algum, confiei em trocar de carro pulando a regra do check-up. Um ano depois e vimos que isso me custou quase 10 mil reais…

Para tentar não cometer mais o erro acima, pesquisei boa práticas para a compra de um carro usado, já que meu teto não me permite ir até um semi-novo.

Mesmo assim, também trago dicas para comprar um semi-novo, como a abaixo…

Qual a quilometragem ideal para pegar um Seminovo?

De bate e pronto, escolha carros com até 30 mil km. Essa foi a resposta de um amigo mecânico na questão seminovo de até quantos quilômetros.

E ele se justifica dizendo que com essa km, você tem em teoria pelo menos um ano de tranquilidade financeira, já que muitos componentes ainda não estão em fase de trocar.

Sem contar que carros com essa quilometragem geralmente estão na garantia do fabricante, assim se tornando mais um item para tranquilizar seu bolso.

Lógico que se você achar uma baita promoção do modelo de seus sonhos com 40, 50 mil km, nada o impede da aquisição.

Apenas fique ciente que pegará um veiculo com algumas substituições de peças em vista. 

Bom, mas se assim como eu não tiver a grana para pegar um seminovo e precisar de um carro mais rodado…

Como comprar um carro mais usado e ele não acabar como vilão do orçamento familiar?

Na ausência de dinheiro para comprar um seminovo, o jeito é ir de modelos vintage, como diz um amigo. Assim, vejamos o que é importante verificar para não levar uma bomba para casa…

Lembrando que a lista serve tanto para modelos seminovos e usados. Não é só porque tem baixa quilometragem que você vai comprar de “olhos fechados”.

Assim, após escolher o modelo pretendido, faça um…

Levantamento dos custos, Check-list…

  • Cote seguro – O site segurar.com te dá uma noção dos valores de algumas seguradoras.
  • Cote as peças de substituição corriqueiras – Ex; velas, kit correia dentada se o carro utilizar, pastilhas e discos de freio, amortecedores, kit embreagem, entre outros. Hoje com a internet, não é difícil obter os preços destes itens.
  • (Opcional) Procure por sites especializados no modelo ou na marca do veículo pretendido e se cadastre – Ex; www.clubesubaru.com.br  –  Site com um fórum de entusiastas da Subaru. Lá você encontra muita informação sobre os veículos da marca, conta com a ajuda dos membros, além de geralmente ter sessão de compra e venda!
  • Leve com você quando for ver o carro, um check-list – Se o carro não atender metade dele (ou um número de itens aceitáveis por você) pule fora, assim você não perde tempo em levar ao mecânico!
  • Mesmo o carro atendendo seu check-list, leve-o a uma oficina de confiança! – Por mais que você confie no lugar ou pessoa, não deixe de fazer uma vistoria por um profissional.

Seguindo a lista acima, você fica  com uma noção dos custos do veiculo que almeja, conhece mais sobre o carro ao participar de um fórum  e por último, diminui as chances de se estressar com “manutenções não esperadas”.

Além dessas dicas, tem um pulo do gato que conto a seguir…

O Pulo do Gato

vilão orçamento familiar

Seguindo as dicas acima, você diminui as chances de ter dor de cabeça com seu futuro automóvel. Mas, tem uma estratégia que pode lhe dar mais segurança…

E essa estratégia é;

Comprar um carro de valor menor do que você tem para gastar.

Como já sabe o custo de algumas peças do veículo, você pode estimar o quanto irá reduzir do valor de compra.

Exemplo;

  • Você tem cerca de R$20 mil para comprar um carro. E após cotações, sabe que para trocar o kit correia dentada gastará só com peças R$500,00. Mão de obra para esse serviço gira em torno de 200~300 reais dependendo de veículo. Só aqui temos quase mil reais de manutenção.
  • Então, com os custos levantados acima, a ideia é pegar um carro cujo preço seja de 19 mil, sobrando mil reais para a futura manutenção.

Acredito que para carros “tradicionais” deixar 5 mil em reserva já é um bom número.

Já para carros “exóticos”, um exemplo é minha vontade de pegar uma BMW antiga ou sendo moderado, uma Xsara Hatch 98 a 2000, ai o valor precisa ser Bem Maior…

Caso possua uma reserva de emergência e fique nos modelos tradicionais, você pode até pular essa dica.

Agora se pretende pegar um carro “diferente”, ai já não dê sopa para o azar.

See ya!


44 comentários em “Qual o vilão de um Orçamento Familiar? Tem ideia?”

  1. Bom post II. Meu carro está a venda há 2 meses e está complicado para vender. O pessoal só oferece trocas e dinheiro abaixo do preço. Está bem complicado. Arrependi dessa aquisição. O carro não deu problemas. Estou vendendo porque quase não ando nele.

    Abraços.

    Responder
    • Olá Cowboy! Se você quase não anda, tem que vender mesmo. E infelizmente a situação está assim, ou oferecem trocas ou valores bem abaixo do que pedimos.. Você tem cadastro em algum clube sobre seu carro? Se não, cadastre-se e oferte lá. Dependendo do carro há clubes muito bons e isso ajuda na hora da venda!

      Abraços

      Responder
  2. a maioria das pessoas nao leva em consideração os gastos anuais do carro como despesa, muito menos a manutenção.
    Para elas, esse tipo de gasto é como se fosse uma surpresa, "nossa, vou ter que trocar os pneus do carro, nossa! vou ter que pagar ipva"
    e calculam sempre a gasolina como maior gasto do carro.
    um erro crasso, que condena muitas pessoas a probreza absoluta por toda vida.
    e na manutenção de carros, meu ramo de atuação, sempre vejo no olhar das pessoas quando digo o valor do serviço e das peças.
    PEÇA DE REPOSIÇÃO É MUITO CARO.
    enfim, meu calculo para carros

    Combustivel (anual)
    Manutenção (anual)
    seguro
    depreciação
    impostos e taxas
    imprevistos ( pequenos acidentes, vandalismos)

    tudo isso somado e divido por 12.

    Responder
    • Grato pela visita mecânico anônimo!

      É, muitos só contam com o valor do combustível e olhe lá ipva.

      Legal seus cálculos, faço parecido. No meu não entram imprevistos e depreciação. Não os coloco pois mantenho uma reserva para emergências. Já depreciação, prefiro planejar a próxima compra com os aportes, por isso não vejo necessidade de pagar por isso.

      Responder
  3. outra coisa que sempre vejo acontecer :
    gente que tem carro muito velho e não percebe que não tem um carro melhor por que o carro velho consome todo o dinheiro dela em manutenção e manutenção (carro velho bebe pra caralho.)
    vivem pra manter um Tempra, tipo, kadett, bora, marea e etc. ( principalmente carros que ja foram de luxo no passado e hoje não passam de assaltantes disfarçados).
    os carros mais simples não fogem muito dessa regra, mas tem uma manutenção mais barata.

    paz!

    Responder
    • Eu também nunca comprei zero. Penso quando for adquirir um próximo, pegar o mais semi-novo possível. Acredito que isso diminuirá bem os custos de manutenção iniciais.

      Sobre a assinatura, parece interessante. No meu caso faltaria dinheiro para isso rsrs

      Responder
  4. Caraca que pancada de manutenção hein!

    O meu carro comprei zero, em 2015, de uma marca conhecida pela ótima reputação e confiabilidade (principalmente no quesito manutenção), e pretendo mantê-lo por pelo menos 8 anos (ou mais). Estou com esse carro há 3 anos e extremamente satisfeito, sinto como se fosse novo e o custo anual dele equivale a 8% do valor do carro.

    Já um anterior que eu tive (Peugeot 207), com 3 anos de carro eu já não aguentava mais, já estava louco pra trocar, só chateação.

    Abraços!

    Responder
  5. Fala II!

    Nesse seu caso, a manutenção fez toda a diferença…

    Concordo contigo: carro é o ó do orçamento doméstico. Mas os dois principais custos são a depreciação (maior quanto mais novo é o carro) e o custo de oportunidade (proporcional ao valor do carro – um pouco menor em tempos de taxas reais de juros mais baixas). A soma de ambos sempre foram maiores do que IPVA, seguro e manutenção nos casos que analisei…

    Grande abraço!

    Responder
  6. Se eu contabilizar tudo que já gastei no meu carro, com certeza supera o valor de aquisição com folga.

    Estou decidido a trocar de carro nos próximos meses, mas com certeza ficarei nos populares mesmo. Há algum tempo uma peguete perguntou se eu pretendia trocar o meu populixo todo fodido.

    Quando disse que trocaria por um outro modelo popular, ela zombou dizendo que eu devia comprar um corolla ou civic (ela sabe quanto eu ganho pois é concurseira). Então eu respondi que se ela pagasse eu comprava até uma ferrari kkk Nunca mais tocou no assunto comigo.

    Responder
    • Cara, foi tanta coisa. Olha só o que fiz;

      arrefecimento; *vazava água
      cabeçote; *estourou a junta
      selos do motor duas vezes; *a primeira soltou e vazou muito óleo
      manutenção de rotina (velas, correias e etc)

      Em um ano, o carro ficou mais em oficina do que comigo. *Quase isso viu

      Responder
  7. Há alguns anos, também entrei neste ciclo de gastos com automóvel com um "em conta". Tomei em menos de um ano…Depois passei para o bullshit de comprar zero. Me endividei e passei a pagar juros para o banco…Tomei mais um pouco. 2 anos depois, troquei por um melhor, já conseguindo zerar a dívida. Mudei pensamento: agora, tenho a estratégia de mensalizar os gastos, inclusive os de depreciação para uma troca no futuro. Porém, vou segurar ao máximo o carro. Trocar por um que esteja dentro daquilo que podemos pagar…Para quem depende ou realmente quer um carro, esta estratégia é uma das melhores que conheço…Abraço

    Responder
    • É professor, pretendo seguir com essa estratégia viu. E essa semana acredito que passei por uma prova, pois havia comentado que ficaria no mínimo uns 5 anos com meu carro atual. Após falar isso, veio a pancada de quase 2k. Sem contar que havia gasto quase 1k para resolver alguns problemas que estava levando com a barriga.

      Abraço!

      Responder
  8. Um dos meus objetivos na IF é justamente me livrar do carro…. escolhi morar em um lugar q se vai de bicicleta na maioria dos lugares ou pega Uber. Carro se Deus quiser nunca mais! Vai ser complicado me adaptar a essa realidade mas seu post me deu mais motivação!rs

    Sr. IF365

    Blog IF365 | Acompanhe meus últimos 365 dias antes da IF e Aposentadoria Antecipada
    https://srif365.wixsite.com/if365

    Responder
  9. Acredito que uma das decisões mais importantes que tomei na vida foi a escolha de onde morar. Morar em uma cidade grande mas não tão grande, perto dos locais de trabalho, supermercados e áreas de lazer, podendo me deslocar a pé, ou de taxi/uber/transporte coletivo a custos mais baixos, foi, e continua sendo, uma grande vantagem em termos financeiros e de qualidade de vida.

    Responder
  10. Eu gosto muito de carros, mas sou racional o suficiente para não ter um nesse momento (minhas condições de moradia/trabalho/cidade me permitem não ter um carro agora).

    Mas pretendo me presentear em breve!

    Eu tive um carro por 2 anos, comprei 0 km, vendi com 10% de desvalorização e gastei aprox. 33% do valor do veículo com despesas (combustível, estacionamento, seguro, impostos, lavagem…)

    Abraços!

    Responder
    • Sou bem parecido com você Japa. Curto muito os quatro rodas, mas tenho consciência e vou me virando com um velinho. Vontade de pegar carros melhores não falta hehe

      Lá na frente quando visar trocar, pensarei a respeito de um zero.

      Abraços!

      Responder
  11. hoje temos dois carros populares em casa, devido as necessidades de trabalho minha e da minha esposa.
    mas assim que eu arrumar um trabalho mais próximo de casa, vou vender um deles e ir ao trabalho de onibus, bike ou Uber.
    carro realmente é um grande vilão do orçamento, mas em muitas cidades acaba virando necessidade básica

    Responder
    • Bom, penso que ter dois carros compatível com a renda não há problemas. Mas, é inegável que levam uma boa fatia do orçamento familiar.

      Em cidades onde não tenha uber e principalmente um transporte coletivo decente, complica. Realmente vira uma necessidade.

      Responder
  12. IInglês,

    Meus carros são um pouco mais caro do que os seus mas nunca gastei 7 mil em uma manutenção. Eu comprei dois carros zero em promoção por excelentes preços e o atual eu comprei de um amigo que andou somente 5 mil km, ou seja, peguei zero.

    O que faço é comprar carros premium e na garantia ainda. Esses carros dão menos manutenção, acredite, além de serem mais econômicos. O meu é 2.0 Turbo e faz 14,7km/l na estrada e 12.5km/l na cidade.

    A discussão sobre ter carro ou não, se é investimento ou não, eu nem entro mais. Vejo o carro como um conforto que pode me levar pra onde quiser e a hora que eu quiser. Claro que se nós tivéssemos um transporte público de qualidade eu talvez nem carro teria mas sinceramente, detesto depender dos outros e por vezes nem taxi nem Uber me atendem.

    Já faz mais de 10 anos que não sei o que é manutenção com carro a não ser a básica e regular. Tive um Bora 2.0 zero km no ano de 2008 e fiquei 5 anos com ele, nunca precisei trocar nem uma lâmpada e ainda vendi ele em estado de zero. A depreciação? Ficou pelos anos de conforto e alegria que ele me gerou e me levou para vários estados em viagens, inclusive Gramado kkkk.

    Abraço!

    Responder
    • Fala BPM,

      Também vejo carros como você. É que ficar desembolsando todo mês com manutenção irrita cara kkk
      O próximo farei dessa forma, tentarei pegar o mais novo que conseguir.

      Carro velho se não tiver sorte, tem que reformar (no meu caso reforma completa kkk)

      Abraço!

      Responder

Deixe um comentário