Aposentar cedo não é tão legal quanto parece…

Este post foi publicado em 2017. Porém, acredito que ele seja de grande valia. Principalmente após o último post do blog do Corey, que aborda alguns aspectos pós Independência Financeira.

Vejamos.



Sei que estamos em busca da Independência Financeira e o titulo deste post “Aposentar cedo não é tão legal quanto parece” soa no minimo estranho. Afinal, muitos pensam em parar de trabalhar ainda jovens para poder usufruir de seu tempo.

Descansar a beira da praia em uma terça-feira, por que não? Entre outras inúmeras coisas que poderia descrever aqui.

Bom, soa estranho mesmo. Mas há razões para isso. Antes de entrar na questão, acredito que você já se perguntou;

Por que o dono da empresa vem trabalhar se já tem um patrimônio suficiente para o manter pelo resto da vida?

Já fez essa pergunta não?

Acredito que também já se pôs no lugar dele, e imaginou-se fazendo as coisas que mencionei no inicio do post.

Nunca fez? Bom, vamos lá!  Permita-se a essa divertida reflexão!

Voltando a realidade, a independência financeira é vislumbrada mais ou menos dessa forma;

We bloggers who write about early retirement and financial independence do a pretty good job outlining the benefits of those goals: additional time with our friends and family, the freedom to pursue activities without the pressure of needing a paycheck, and the security of having a nest egg that can sustain one’s expenses indefinitely. But we do a lousy job seeking out the risks inherent with a huge life change like early retirement   

A tradução da parte acima fica assim;

Nós blogueiros que escrevemos sobre aposentar cedo e independência financeira fazemos um bom trabalho descrevendo os benefícios desses objetivos: tempo a mais com amigos e família, liberdade para buscar atividades sem a pressão por dinheiro e a segurança que um alto patrimônio pode nos fornecer. Mas, falhamos ao não considerar os riscos  inerentes a essa grande mudança de vida que é aposentar cedo.

Nos EUA há alguns blogs onde a galera já vive de renda. Aqui, há alguns também como o ViagemLenta, o Corey, o Sr IF365 e o ViverdeRenda.

Destaco a parte acima do texto para debatermos. E abaixo você verá um dos riscos que o blog Done by Forty alerta;

 – Aposentar cedo pode fazer mal ao seu cérebro…

A Relação entre Aposentar e o Declínio Cognitivo

Há alguns estudos já nessa área, um bem considerado *Saúde e Aposentadoria  que encontra um elo entre o declínio cognitivo e a aposentadoria em geral.

O jornal The New York Times publicou a respeito *Aposentar cedo pode também aposentar sua Memória

*Os dois estudos estão em inglês.

Quanto ao estudo que o New York Times publicou, resumindo-o, o estudo fez um teste de memória com pessoas que aposentaram cedo e outras que trabalharam até seus 64 anos.

O resultado conclui que os que aposentaram cedo foram piores do que os que não. Lógico, apesar do resultado, eles sabem que testes de memória são apenas uma forma de medir cognição, mas acreditam ser um começo…

Já os autores do estudo Mental Retirement (Aposentar mentalmente) estão bem convictos entre a relação aposentar/declínio cognitivo. Abaixo um de seus pontos;

Use-a ou perca-a!

Quanto mais cedo você deixa de estimular sua mente, pior sua cognição fica ao passar os tempos. A solução?

Mantenha-se ativo!

Outros pesquisadores falam sobre o ambiente de trabalho, no qual nos mantem engajados mentalmente, socialmente e psicologicamente.

Há até uma teoria que diz que quando você deixa de se esforçar no trabalho e se entrega ao doce abraço do descanso, então você está mais suscetível ao tédio, no qual é associado a varias coisas ruins, tipo depressão…

E aqui uma parte que achei interessante de um pesquisador. Descansar não é uma coisa que nos faz feliz. E ele complementa;

Quando as pessoas descansam, suas mentes viajam. E quando suas mentes viajam, elas normalmente não vão para um lugar feliz. Já pessoas que estão focadas em alguma atividade são sempre mais felizes do que aquelas que não estão. Então, considere colocar atividades em seu plano de aposentadoria…

Conclusão  

Como eu ainda estou longe de aposentar, não tenho como dar pitacos baseado em experiências. Assim, me resta interpretar os estudos. Fazendo isso, percebo que os problemas em aposentar cedo se aplicam principalmente a quem se aposenta literalmente de tudo.

E ao fazer isso, a frase – “O cérebro é como um músculo. Quando pensamos bem, nos sentimos bem” de Carl Sagan faz todo o sentido.

Alias, faz mais ainda já que músculo que não se exercita, torna-se fraco…

Para terminar, volto a pergunta do inicio do post, na qual é;

Por que o dono da empresa vem trabalhar se já tem um patrimônio suficiente para o manter pelo resto da vida?


O ponto do pesquisador de que descansar não nos faz feliz, fica bem claro ao analisarmos pessoas que poderiam não estar mais trabalhando e ainda o estão.  

Concorda?

Postei recentemente quando é a hora de investir. Já conferiu? Caso não, confira meu post mostrando qual é a melhor data para iniciar seus investimentos..

See ya!


44 comentários em “Aposentar cedo não é tão legal quanto parece…”

  1. Puts, não sei o que dizer. Por um lado vejo que não ter que trabalhar é um grande bônus, pois te da muita confiança, além de não existir uma obrigação em não trabalhar, a pessoa pode se dedicar sem culpa a uma atividade mentalmente demandante e criativa, como alguma arte ou empreender sem depender do lucro.

    Por outro lado o cérebro do hustler é imbatível. Muitas vezes o hustler nem estudo tem, e por isso não é considerado mentalmente capaz ou inteligente, quando na verdade é o mais esperto da sala e o que mais gera valor.

    O que é estranho são esses bunda moles tipo o Sagan, Dawkins, Hawking e cientistas socialistas em geral que vivem do governo, sempre falando de relações de trabalho.

    Responder
    • CF também vejo não ter que trabalhar como um bônus. Porém, se não preenchermos este espaço com atividades, acredito que nos tornaremos fraco, infelizes.

      Acho que muitos já passaram por tédio devido a não ter o que fazer. E tédio leva a coisas ruins como citado no texto.

      Responder
  2. Fala II,

    Ritmo de postagens forte, bora migrar para o wordpress tambem. Em breve eu irei.

    Pessoal confunde IF com ficar atoa 100% do tempo.

    IF significa escolhas.

    Voce pode ficar 100% atoa, pode dedicar a projetos diversos, trabalhar como voluntario, ter um negocio especifico e nem tao lucrativo, etc.

    A IF garante escolhas.

    Abraçao

    Responder
    • Fala VDC!

      Pois é rsrs, este post estava programado para segunda! Porém fiz um sobre mudança que gerou outro. Dai veio o news e ontem escrevi sobre o kindle. O legal que foram posts onde não perdi muito tempo.

      Já este aqui levou um tempinho rs Pensarei a respeito sobre o wordpress

      é verdade, se tem algo que a IF te proporciona, são as escolhas. Se escolher ficar 100% atoa, corre o risco da consequência (perda cognitiva)…

      Abração

      Responder
  3. A questão nem é aposentar cedo, é ficar sem atividades, objetivos e até sem convívio com outras pessoas.
    Se a pessoa não tem emprego formal, mas tem atividade, tem ojetivos muitos problemas podem ser evitados, vejo isso de forma muito simples.
    Porém há também o seguinte caso: Tem muita gente que trabalha/trabalhou 15, 20, 25 anos na mesma empresa, sei que isso deve ser cada vez menos comum, mas casos assim ainda existem. Efim, uma vida dedicada ao emprego e a empresa, isso fora especializações, reuniões, horas extras que o emprego acaba exigindo.
    Fora o deslocamento seja de carro ou transporte coletivo para ir e voltar do trabalho, que em muitos casos também não e tão rápido.

    Isso significa uma boa parte da vida vivida em função da empresa. Por conta disso a pessoa não desenvolve ou descobre talentos em outras áreas. Nâo cria relacionamentos ou contatos com pessoas de fora de seu ambente de trabalho, em alguns casos até a convivência familiar é afetada, se torna rasa e frágil.
    Quando essas pessoas se aposentam elas passam a não ter mais nenhum referencial de vida, tudo virou passado, o cargo que ocupavam e o respeito que tinham por conta disso foi embora, ele virou um ex alguma coisa, um aposentado.
    Some-se a isso a pouca ou nenhuma valorização que cidadão de terceira idade tem no Brasil, e mesmo que esse aposentado não esteja na terceira idade o papel dele na sociedade fica ofuscado, indefinido.

    São muitos os fatores que podem levar ao ostracismo, depressão, queda bruta de alto estima, até mesmo probemas de convivência com esposa, marido ou filhos que ficaram adormecidos no tempo em que a pessoa estava trabalhando podem vir à tona com força.
    Estou longe de me aposentar, mas acho que a aposentadoria saudável deve ser pensada e encarada da melhor forma bem antes dela acontecer.
    Devemos preparar o terreno para isso com nossas atitudes e pensamentos desde jovem.

    Responder
    • Muito bom seu comentário Anônimo!

      E ele remete a este ponto do texto

      "Mas, falhamos ao não considerar os riscos inerentes a essa grande mudança de vida que é aposentar cedo"

      E como você colocou, a mudança nem precisa ser com a aposentadoria "antes do tempo" É preciso dar atenção a esse tema para que a mudança não seja de forma brusca, não ocasione um choque.

      Responder
  4. Olá II,

    Eu achei essa pesquisa tendenciosa. Como você falou: isso pode acontecer se o cara aposentar o cérebro também. Caso contrário eu acho uma balela. Acho que todos aqui não procuram parar no tempo, mas sim fazer algo que goste sem pressão e de passar mais da metade da vida na corrida dos ratos. Até parece que a maioria das pessoas são felizes com os seus trabalhos. Eu vejo é ao contrário.

    Abraços.

    Responder
  5. Acho que o pessoal já resumiu bem aí em cima.. prejudicial é aposentar tudo, parar tudo, ficar sem fazer nada literalmente.

    Penso que independência financeira seja poder escolher o que fazer, ou também escolher não fazer nada rsrs, mas aí é onde entra o prejuízo à saúde mental.

    Se a pessoa já gosta do que faz, gosta do seu trabalho, e se sente feliz nele, (bem poucos) então imagino que com uma independência financeira ela possa continuar fazendo o que faz, ajustando poucas coisas na sua vida.

    Do contrário, (maioria) o desejo de se aposentar logo é grande, pra poder fazer várias mudanças na rua vida.

    Abraço

    Diário

    Responder
  6. Tá amarrado essa pesquisa!

    Se eu me aposentar cedo, vou me dedicar a tanta coisa a qual não tenho tempo agora… Esse resultado aí só vale pro cara que é afastado do trabalho, e passa o resto da vida acompanhando futebol e indo pro bar encher a cara em dia de semana. Aí é pedir pra se fuder mesmo.

    Desenvolvimento sempre! Há uma infinidade de livros para ler, lugares para conhecer e coisas para aprender, a partir do momento em que se TEMPO!

    – Mark

    Responder
  7. Muito bom o artigo para ótimas reflexões e discussões.

    Tem gente que já "morreu" cognitivamente simplesmente por ter uma rotina casa-trabalho-casa e não mais precisar "pensar" pra fazer as coisas, ou seja, vivem no automático.

    Seja um aposentado ou um trabalhador, se nós não nos dedicarmos à busca da melhoria constante, lermos, aprendermos e principalmente colocar em práticas as coisas é natural que com o tempo nosso cérebro atrofie.

    Responder
  8. Ótimo post e ótimos comentários dos colegas!

    Pra mim o ponto principal é o fato das pessoas encararem a IF como o fim da necessidade de trabalhar. E ao meu ver, não é bem assim…

    Se eu alcançasse a IF, iria correr atrás de me especializar em coisas que gosto (mas que não tenho tempo atualmente pra estudar) e ia arrumar uns freelas, um trabalho remoto com alguma empresa européia, qualquer coisa assim.

    São poucas as pessoas que se sentem bem pelo resto da vida sem precisar trabalhar. A maioria gosta de se sentir útil, de ver que está contribuindo com a sociedade através do desempenho de atividades.

    Se um dia eu alcançar a tão sonhada IF, vou encarar o trabalho como um prazer ao invés de uma necessidade. Quando eu quiser pulo fora de uma ocupação, invento que quero trabalhar vendendo chinelo na beira da praia, sei lá! 🙂

    Abraço!

    Responder
    • Olá Wannabe!

      Bem por ai mesmo cara. Ai você entra no ponto de que "Descansar não é uma coisa que nos faz feliz" E eu concordo com isso. O que nos faz feliz são coisas que fazemos. É tão gratificante "por a mão na massa". Principalmente em seu fim, onde você vê o resultado de seu esforço.

      Abraço!

      Responder
  9. Já diz o ditado que a mente desocupada é o jardim do demo.. Mas concordo que essa visão só vale para quem realmente se entrega à letargia no dia-a-dia. Deve ser muito boa a sensação de se sentir realizado com seu trabalho/empreendimento.. No meu caso, ainda não alcancei esse patamar. "Liberdade de escolha" é mesmo uma excelente definição.

    Abraço!

    Responder
  10. Muito interessante essa postagem Inglês,

    Na minha opinião é importante você sempre definir metas e buscar se desenvolver continuamente. Vou citar dois exemplos:
    1) Na empresa pública que eu trabalho há muita gente que já pode se aposentar (com salário integral), mas não larga o emprego porque não sabe o que fazer em casa. É triste ver isso, vão querer ficar até a compulsoria aos 70 anos.
    2) Conheci um vizinho do meu prédio que colocou uma meta de se aposentar aos 35 anos e conseguiu. Ele construiu dois condomínios com apartamentos pequenos e deve ter uns 15k de renda passiva. Porém ele não aguentou ficar sem fazer nada durante 2 anos, atualmente ele trabalha gerenciando projetos de construção e ganha por produtividade (ele tem 38 anos agora)

    Grande abraço

    Responder
  11. Depende muito da Aposentadoria, se for uma que apenas deixe a pessoa com o básico, talvez se canse de ficar sem fazer muita coisa, pois renda não muito alta fica limitado em atividades… agora se a renda for alta só em viagens dá prá se ocupar bastante rs

    Responder
  12. O negocio é manter a mente alerta e produzir sempre.
    Quando voce lê, estuda, faz cursos, vê documentários, viaja, navega na internet, tudo isso é informação.

    Estou duvidando MUITO desses estudos.
    Como esses caras que se aposentaram cedo foram estudados?
    O que eles faziam nas suas vidas?
    Ficavam apenas jogando damas na varanda?

    Tá difícil engolir esse resultado.

    Responder
  13. II, para variar, cheguei tarde ao post também e vou ser meio repetitivo, até para ratificar a opinião de alguns colegas acima.

    O erro dessa interpretação é entender a "aposentadoria" com "ociosidade". Aliás, acho a palavra aposentadoria carregada de sentido negativo. Prefiro usar no meu blog "independência financeira", que significa exatamente liberdade de escolher o que deseja fazer.

    Hoje, "aposentado", eu leio, aprendo e faço muito mais coisas úteis do que fazia enquanto eu trabalhava como um feliz escravo na antiga empresa. Satisfação muito maior. Por exemplo, quando, trabalhando 50 horas por semana, eu conseguiria fazer voluntariado, ler um livro por semana, fazer um curto de html e css e possuir tempo para meditar como faço atualmente?

    E ainda fazer um textinhos para o blog rsrs

    Acho que não entro na classificação de aposentado desses estudos não rsrs

    Grande abraço!

    Responder
    • Olá André!

      Valeu pela contribuição! O que dá a entender no estudo é que a galera se "aposenta de tudo" E isso não deve terminar bem. Eu tenho como exemplo um vizinho, que se aposentou cedo porém deixou se levar pela bebida. Teve um final nada feliz… Por outro lado tenho meu avô, que fazia inúmeras atividades, credito a isso sua ótima saúde. Porém, em uma dessas atividades, acabou perdendo a vida

      Você com certeza não entra nesse grupo rs

      Abração!

      Responder
  14. Não sei se comentaram ai em cima, mas o ostracismo pós aposentadoria tem muito a ver com os proventos de fome que o aposentado médio recebe no Brasil. Ganhando de 1 a 2 salários mínimos, não dá pra ter hobbies ou ter atividades extras, o gasto com alimentação e saúde já consome boa parte da aposentadoria. IF não é parar de trabalhar apenas, é ter ao menos o suficiente pra viver da forme que lhe aprouver.

    Responder
  15. Senhores, primeiramente peço desculpas por utilizar esse canal para explicar que tive imprevistos quanto ao blog, haja vista que este foi suspenso temporariamente em decorrência de comentários ofensivos de anônimos que estão buscando desativar nosso reduto.

    Segundo, agradeço a colaboração e a presença de todos vocês e solicito encarecidamente que divulguem essa notícia.

    Estou buscando solucionar esse imprevisto. Desculpe o transtorno.

    Responder
  16. IInglês,

    Esse tema é bom e eu gosto!

    Em breve vou escrever minhas opiniões e ideias mas já pra deixar algo adiantando aqui, como muitos falaram, IF não é ficar a toa. Tá faltando horas no meu dia e preciso parar de trabalhar pra usar essas horas com o que quero e com certeza vou trabalhar não só o cérebro mas também o corpo todo com muito mais qualidade do que hoje.

    Abraço!

    Responder
  17. Sobre o empresário q não para:
    Tive um caso na família:

    "Trabalho nesta loja desde os 6 anos, o q vou fazer qdo parar? "

    Neste caso, e tenho certeza de q há casos diferentes, o problema foi q a loja era a única coisa na vida da Pessoa e tinha medo da mudança.
    Hoje, apos finalmente ter vendido a loja q olha pra trás e se mta porque não vendeu antes…

    Responder
  18. Sobre a diminuição de atividades após a aposentadoria:

    Acho q os comentários acima estão desconsiderando um ponto importante, qdo falam q aposentar não é sinônimo de parar todas as atividades. E não é mesmo, mas temos q considerar q uma vez aposentado, o seu ambiente muda, há muito mais tempo para distrações e de repente aquela saída de férias q só acontecia 1 vez por ano, agora pode acontecer a qq hora.

    Responder

Deixe um comentário