Filme comentado – The Founder (Fome de Poder)

Dias desse estava conversando com meu irmão sobre alguns assuntos, tipo, dinheiro, politica… 

Pude expor a ele meus porquês de não acreditar no socialismo. E quanto a dinheiro, falamos sobre a beleza da Nath do canal Me Poupe rsrs, já que ele comentou que assistiu seus vídeos e gostou.

Falando sério, legal ver que o canal dela está atingindo várias pessoas. Onde trabalho conheço alguns que a seguem. E agora sei que meu irmão também.



Bom, no vai e vem dos assuntos, principalmente quando falávamos sobre capitalismo e socialismo, lembrei do filme The Founder que aqui recebeu o nome de Fome de Poder.

Ah, e por que lembrei desse filme?

Fome de Poder é um filme que mostra o nascimento do império McDonald’s. Traduzindo, temos nesse filme aulas de empreendedorismo!  E por consequência, capitalismo.

E assim, o filme se encaixou perfeitamente em nossos papos. Sem contar que ele não tinha assistido…

Cuidado – Spoilers!

Abaixo comento partes do filme. Se ainda não o assistiu, pare a leitura aqui e volte após te-lo assistido.

Caso não se importe, continue a leitura.

Um filme sobre Empreendedorismo!

Como comentei acima, escolhi Fome de Poder para eu e meu irmão continuarmos com os assuntos. E após terminar de assistir, me deparei com a mesma indignação que outros amigos que assistiram o filme ficaram.

E qual o problema que me fez vir aqui comentar?

Todos que reclamaram do filme para mim ficaram chateados com as atitudes de Ray Kroc. O ponto chave foi o não cumprimento do pagamento de royalties acordado com um aperto de mãos. 

Os irmãos Mcdonald’s queriam para fechar a venda da marca uma quantia, mais uma percentual do faturamento se não me engano mensal da rede. Ray Kroc em conversas com seu advogado, deixou claro que não pagaria essa “taxa”.

Na reunião que selou a venda da marca, Ray Kroc deu um golpe de mestre nos irmãos. Acenou que pagaria o percentual, mas não em contrato e sim em um acordo no popular chamado “de boca”.

Ai entra a indignação;

– O cara não foi ético! 

– Ray Kroc não cumpriu com a palavra!  

Ray Kroc não é integro! – Segundo um texto no site gazeta.

– e blah blah blah…

Pô Ray Kroc!

Bom, adianto que não estou aqui para defender a atitude dele. E sim, mostrar a mensagem subliminar que sua atitude passa.

Ray Kroc conheceu o negócio McDonald’s com 52 anos. E gosto muito de um dialogo dele com a esposa na qual ela diz;

When’s enough going to be enough for you?  – Quando o bastante será Bastante para você?

Honestly?  Probably never!  – Sinceramente?  Acho que nunca!

Esse dialogo é devido a mulher estar cansada de ver o marido tentar e tentar… Em sua cabeça, era hora do marido diminuir o passo, aproveitar a vida!

Já que ele tentou diversos negócios e nada deu certo.

Porém, não na cabeça dele.

Com a resposta dele mais acima, percebemos que quando esse cara achar o negócio que tanto procura, ninguém o segurará.

E o filme mostra que ninguém o segurou mesmo. Ray Kroc ficou maravilhado com o empreendimento dos irmãos. E em pouco tempo já deslumbrou um McDonald’s em cada canto do país.

E após convencer os irmãos do projeto, ele foi atrás. Foi atrás de futuros franqueados. Abriu sua própria franquia…  Fez acontecer.

E a mensagem subliminar é…



Bom, vou deixar para você responder nos comentários. Aguardo-os!

See ya!


24 comentários em “Filme comentado – The Founder (Fome de Poder)”

  1. Ray Kroc descumpriu a palavra. Ponto. Foi trapaceiro.

    Como bom trapaceiro, usou a ambição das vítimas para se dar bem.

    No caso em questão, convenceu os irmãos McDonalds a fazer o negócio por fora para evitar pagar impostos.

    É sempre assim. Parecido com o golpe do bilhete premiado. Parecido, não igual.

    Responder
    • Bom, sobre a mensagem subliminar, Rey Kroc fez acontecer mas poderia ter quebrado de novo.

      O filme mostra bem que todo negócio novo que ele se metia seria um sucesso.

      Todo dia milhares de Ray Kroc arriscam tudo em novos negócios, se dedicam por completo, mas a maioria não dá certo.

      O caso dele me parece como muitos outros: ousadia, persistência e estar no lugar certo na hora certa.

      Responder
    • Olá Stone, grato pela visita!

      Sobre o que ele fez, não tem muito o que comentar.

      A mensagem subliminar que tenho em mente não seria essa. Mas aproveitando a sua, discordo um pouco.

      Não acho que qualquer coisa que ele se metesse seria um sucesso. Vide as vendas do mixer e de outros que o passado costumava o lembrar. Entretanto, sim, muitos arriscam tudo como ele e poucos conseguem ir adiante.

      Responder
    • Não me expressei bem. Eu quis dizer que ele sempre achava que seus novos negócios seriam um sucesso. Mas nunca davam certo. Isso que o filme retrata.

      Por isso que falei que o sucesso dele McDonalds foi um misto de persistência, ousadia e sorte (estar no lugar certo e na hora certa).

      Responder
  2. Olá II,

    Eu assisti ao filme. É muito bom, mas o ele deveria cumprir com a palavra. Já li alguns livros e já ouvi de pessoas que eles cumpriam a risca o que prometiam. Podiam ser de boca ou escrito em um lenço de papel. Portanto, Ray foi trapaceiro, mas isso não tira o mérito dele.

    Abraços.

    Responder
    • Olá Cowboy,

      É verdade, ele deveria cumprir com a palavra. Porém, preferiu perde-la ao invés de pagar os caras.

      Caras como Ray Kroc usam qualquer coisa para conseguir seu objetivo. Isso é uma lição para quem participa do "show business".

      Abraços

      Responder
  3. Li num desses blogs na internet um caso em que um(a) brasileiro foi alugar um quarto em uma pensão na Alemanha. Acertou de boca o negócio e um mês depois, em cima da hora, avisou o proprietário que não ia mais ficar com a casa, o proprietário reclamou e pediu um dinheiro mas a mulher riu, disse que não tinha assinado nada. Resultado, o cara foi pra Justiça e a mulher teve que pagar não sei quantos meses de aluguel, pois ele não procurou novos locadores a partir do momento em que se comprometeu em alugar para a mulher. Em alguns ligares a palavra dada ainda vale, se não para todos, para a Justiça.

    Responder
    • Temos que tomar cuidado ao ver filmes biográficos. O filme pinta ele como um cara que o poder "subiu na cabeça".

      Eu não achei ele um mal caráter por ter atropelado os irmãos. Ao passo que ele era muito visionário, os irmãos eram um freio-de-mão puxado pra ele.

      Quanto ao aperto de mão e o descumprimento, caso seja verdade, isso sim é mal caratismo. Cá entre nós, qualquer acordo de compra/venda sob essas circunstâncias que envolva pagamentos mensais seria um péssimo negócio. Financeiramente, fez certo em não aceitar. Porém, do ponto de vista ético, não deveria ter prometido.

      Responder
    • Olá Enriquecendo,

      Também não o achei mal caráter por ter atropelado os irmãos. Nesse ponto ele jogou. Quanto ao acordo, se prometido ele agiu de má fé. E essa é uma das mensagens que tiro do filme;

      "Nos negócios, vale praticamente tudo. Então faltar com a palavra não deve ser menosprezado em acordos…"

      Responder
  4. Não fosse o "carinha" que virou CEO apap mostrar para Ray que o negócio não era restaurante e sim imóvel, teria chegado aonde chegou ? a sacada foi genial…maior empresa do setor imobiliário do mundo e ainda vende hambúrguer.

    Responder

Deixe um comentário