Como falar de Dinheiro em um Relacionamento?

Então você começa a se relacionar com alguém e isso o leva a aprender todas as coisas novas sobre essa pessoa.

Onde nasceu, qual seu sonho, se já assistiu House of Cards, se curte Game of Thrones e principalmente…

se curte Metallica.



Bom, essa lista continua. Porém, a única coisa que provavelmente você não saiba é sobre a situação financeira da pessoa.

Sem contar que é estranho perguntar sobre.

Se somarmos que já existem coisas estranhas em um relacionamento, adicionar dinheiro a essa mistura pode fazer com que as pessoas evitem esse tópico completamente.

Mas, se nos lembrarmos de que dinheiro é uma das razões de boa parte dos divórcios, é uma boa ideia começar a conversar sobre isso o quanto antes.

Quando falar sobre Dinheiro em um Relacionamento?

É aqui que o bicho pega não?  Quando começar a conversar sobre esse assunto tão, tão peculiar.

Bom, eu acredito e você também deve concordar não ser uma boa ideia abordar esse assunto no primeiro encontro, certo?  A menos que ambos sejam do mercado financeiro ou algo relacionado.

Mesmo assim, não sei se é uma boa ideia.

Assim, de inicio, uma boa estratégia é observar como seu par lida e fala sobre dinheiro.

Uma vez que o relacionamento fica realmente sério, tipo passados alguns meses, ai chega a hora de ter uma conversa mais profunda.

Como quebrar o gelo?

Bom, você não necessariamente precisa marcar um encontro e dizer – Hoje vamos falar sobre dinheiro!

Você pode assustar seu parceiro literalmente.

Eu com a sra Inglês só fomos ter uma conversa mais séria sobre finanças pessoais quando planejamos nosso casamento.

Antes, eu usei a tática acima. Em minhas observações via que a sra Inglês era bem consciente financeiramente.

Hoje casado vejo que é até mais do que pensava…

Bom, mas e como quebrar o gelo? Como falar de dinheiro em um relacionamento não?

Meu palpite é tentar inserir o assunto naturalmente. Tente aproveitar as deixas de uma conversa para falar sobre dinheiro.

Uma oportunidade para tocar no assunto é alguma compra que façam juntos, ou melhor, a compra que seu par está fazendo. Ai você poderá questioná-lo e dar inicio ao assunto.

Não será uma tarefa fácil, mas você consegue!

E lembre-se de não julgar seu par. Não é só por que ele faz diferente de você que ele está errado!

O que falar?

Puts! E agora?

Hmm, tocou no assunto mas não sabe o que falar?

É, sabemos se tratar de um assunto difícil. Abaixo algumas sugestões;

  • Suas preocupações quanto a dívidas.
  • Se a pessoa se preocupa com o quanto de dinheiro ela tem.  
  • Se ela administra suas finanças pessoais.
  • Quais seus objetivos financeiros? E se ela ou ele ao menos os tem! 
  • O que ela ou ele acha de economizar dinheiro…

Dinheiro definitivamente não será um tópico romântico, mas é crucial falar sobre ele se você quer evitar brigas futuras…

Post adaptado do blog Twocents

See ya!


43 thoughts to “Como falar de Dinheiro em um Relacionamento?”

    1. ahahha boa AA40!

      É interessante o casal se acertar o quanto antes. Também é legal saber o quanto antes como a pessoa lida com dinheiro, pois reclamar depois não irá resolver hehe

      Legal seu tópico! Vou adicionar ao post!

      Valeu!

    2. Nossa II, isto seria muito legal. Na verdade o JLCollins lançou um livro (The path to wealth) que poderia ser um projeto a duas ou três mãos de adaptar este livro para o Brasil e publicar. Seria muito maneiro, mas dá serviço. Na verdade teriamos que fazer um encontro brasileiro da comunidade FIRE como eles fazemos nos EUA ( Chautauqua)..que acham?

  1. Falar de dinheiro não é mesmo romântico pois é abordar a realidade. Um amigo meu, hoje economista, só falava de grana, a ponto de ser um seca-vaginas espantador de gatas. Tem que aprender que tudo tem hora e local. O cara dividia conta no primeiro encontro! Somente amadores murrinhas fazem isso.

    Acho que devemos sempre observar o modo como a mulher trata o dinheiro e seus projetos, mas não da pra esquecer que só uma ínfima parcela da população sabe o que quer e um pouco de finanças. Principalmente as mulheres, em geral, são imbecilizadas nesse sentido pois são protegidas pelos pais e maridos.

    O melhor caminho é expor seus objetivos, dar o exemplo e cobrar responsabilidade. Se deixar a mulher ser gastadora a culpa é sua em minha opinião.

    1. Hahaha esse seu amigo é o que chamam de turco/muquirana entre tantos outros ahhaha E também meio sem noção, não é?

      Essa de expor objetivos é um caminho mesmo. Só não sei se é culpa da pessoa a outra ser gastadora. Há pessoas que não mudam…

  2. Eu não vejo isso como um problema, o primeiro passo é você traçar o perfil da pessoa, se você está com aquela garota que é sustentada pelo pai, que só sabe gastar, que não fala sobre planos para o futuro (planos consistentes e realistas), só fala de comprar coisas, que não é individualista ou batalhadora, que acha que o homem tem obrigação de bancar tudo e tem a tendencia a ser uma "dona de casa", aí complica pois a probabilidade de ela ser uma gastadora, doidona das finanças é grande.
    Mas ainda sim expor situações e perguntar o que ela faria é interessante.

  3. Olá II,

    Eu toco nesse assunto com as mulheres sem problemas, mas de forma sutil. Vejo que a maioria só pensa em comprar. Tentei colocar a minha ex para investir, mas só ficou nisso mesmo. Ela só pensava em comprar roupas e sapatos. Até o carro era dado pelo pai.

    O bom é comprar uns livros de investimentos e colocar a disposição para ler. Também falar sobre IF e a possibilidade de morar em outros lugares. Assim, talvez a pessoa pode entrar junto.

    Abraços.

    1. Olá Cowboy!

      Entendo. a sra Inglês mesmo está investindo, mas nem sabe onde kkk Porém, sempre está acessando a conta para ver o saldo subindo kkk E vira e mexe reclama por render pouco…

      O que funcionou com a sra Inglês foi falar de IF. Isso ela curtiu. Já os livros ela já nem toca…

      Abraços

    2. Desisti de dar livros para os outros lerem. Só se mostrarem interesse, aí sim.

      Percebi isso também, mostrar algo que funciona na prática, como um rendimento, e mostra que isso pode levar à IF tem funcionado parcialmente com a senhora Diário.

      Embora tenhamos tendência a gastar, eu já me policio bastante. Sou radical no relacionamento e firme em decisões, ela já sabe disso. Dou margem de liberdade pra ela tomar as decisões financeiras dela, mas as minhas e as da casa é comigo e são do jeito que estipulei.

      Discussão sempre vai ter.

      Essas dicas são muito boas Inglês.

      Começar do jeito certo faz toda diferença.

      Abração

  4. Muito complicado falar isso com mulheres. A maioria infelizmente é educada de forma a esperar que sempre tenha uma figura masculina para sustentar. O salário delas é para bancar os luxos e roupas. É assim que a maioria foi condicionada a pensar. Já tentei abordar o assunto várias vezes e minha esposa concorda em poupar, mas nunca em deixar ele no banco ou em algum título tipo ações. Na cabeça dela tem que comprar casa ou terreno e só. Realmente a família dela veio de origem humilde e não conhecem nada de mercado financeiro. Eu falo que isso muita das vezes é desvantajoso, mas ela acha que corremos o risco de perder a grana ao investir em papéis. Falei do FGC e tal para renda fixa, mas nada a convence do contrário. O pior é ela dizer que tem que respeitar a opinião dela, mesmo que nunca tenha sequer estudado a respeito. Acho super válido respeitar a opinião quando é realmente uma opinião. Quando é oriundo de preconceito eu não caio nessa de respeitar. Para resumir a situação, é como ela nunca tivesse estudado matemática e dissesse para mim que 2+2=5, e eu tivesse que respeitar a opinião dela. affff. Por essas e outras que uso a tática que comentei aqui http://senhorbufunfa.blogspot.com/2017/09/as-5-regras-polemicas-de-financas-para.html

    1. É complicado esse assunto mesmo. Mas hoje isso está mudando hein, muitas sabem que depender do marido não é mais suficiente.

      Bufunfa, se ela concorda em poupar, faz igual eu, pega a grana e aplica. Depois se dá acesso para ela ver os extratos kkk Fiz isso com a sra Inglês

      E eu nem perdi tempo de falar de fgc, renda fixa, ações. Só falei para ela – Guarda esse tanto por mês que você vai ver o bolo crescer… Por hora está funcionando. Ela ainda não quis comer esse bolo kkk

  5. Depende muito do background da pessoa.

    Se ela for dondoquinha, descolada da realidade, sustentada pelos pais, nunca trabalhou nem possui tal pretensão, fica difícil tanto abordar esse assunto, quanto trazê-la para o lado investidor da força.

    Porém se ela tiver um mínimo de vivência do mercado de trabalho, já tenha pago as próprias contas e saiba o valor do dinheiro, uma alternativa interessante é convencê-la a guardar 1000 reais e observar por ela mesma que isso rende algo mensalmente, nem que seja 5 reais.

    Depois é tentar tirá-la da corrida dos ratos consumistas e convencê-la que é possível fazer o dinheiro trabalhar para ela, e não o contrário.

    Outra coisa que ajuda bastante, dependendo do estilo de vida individual de cada um do casal e que tem dado certo para o meu caso, é buscar um estilo de vida minimalista – que não quer dizer se privar do consumo, mas consumir de forma eficiente.

  6. Tudo é questão de encontrar uma mulher com objetivos e/ou comportamento semelhante a nós.
    Em mulheres acima dos 25 anos é mais fácil encontrar isso, até pela experiência que a vida vai trazendo.

    Entre as mulheres mais jovens a maioria não está nem aí pra economizar ou investir, a maioria só quer saber de festa, bebida (a maioria bebe mais que o pai), compras e sexo (geralmente sem compromisso) não generalizo, mas boa parte não sai muito dessa descrição. Entre os homens o comportamento também não é muito diferente.
    O duro é que o brasileiro médio ganha pouco e nem sequer consegue visualizar a IF. Acaba sendo mais fácil "curtir" com o que se tem hoje.

    Mas pra finalizar, com mulheres um poco mais maduras acho que essa missão é mais fácil e se o cara que relacionamento sério esse assunto ganha importância, nada que uma conversa objetiva e sincera não resolva.

  7. E bota crucial nisso, Frugal!

    Sem essa conversa, a chance de um relacionamento mais duradouro ir par o brejo aumenta consideravelmente. E para tudo, tem que ter um jeitinho que é difícil colocar no papel, pois cada pessoa tem suas peculiaridades, não é rsrsr?

    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.